28 de ago de 2010

Padre Leandro Chiarello

Quem conhece o Padre Leandro Chiarello sabe de sua paixão pelo COLORADO. Não conheço ninguém que é mais Torcedor Vermelho que o Padre.

Abaixo foto do Padre Leandro Chiarello na missa de aniversário do Centenário do Sport Club INTERNACIONAL juntamente com o Arcebispo de Porto Alegre Dom Dadeus Grings e o Presidente Vitório Piffero. A missa foi celebrada na Catedral de Porto Alegre.


O Leandro foi colega no primário do meu Mano Antônio (que é torcedor fanático dos azuis). Lembro como se fosse hoje quando conheci o Leandro, foi no intervalo do 1º dia de aula quando eu estava iniciando na 5ª série. Naquela época estudávamos na Escola Estadual de 1º Grau Olegário Mariano onde a 1ª a 4ª série as aulas eram no turno da tarde e da 5ª a 8ª série no turno da manhã. O Antônio e o Leandro já estavam na 8ª série. Eu estava chegando ao turno da manhã e no 1º intervalo fui me enturmar com os mais velhos do colégio para mostrar aos meus colegas que eu tinha as costas largas.

O Leandro quando me viu, no mesmo momento não resistiu e me apelidou de XEROX do Antônio, apelido que não vingou no colégio e somente o Leandro utilizou por muitos anos.

O Leandro naquela época, já era um Grande COLORADO e estávamos nos áureos anos 70, década que o INTERNACIONAL mandou no Brasil e que naqueles tempos era a glória máxima para um time de Futebol.

Quando então o Leandro descobriu que EU era o único COLORADO em uma família de torcedores azuis resolveu-me “adotar” e então começamos uma jornada de jogos no GIGANTE.

O Leandro foi até minha casa várias vezes, até conseguir convencer a Dona Maria para me liberar para ir ao meu 1º freNAL e que por infelicidade perdemos de 2 a 1 em pleno GIGANTE. Naquele jogo lembro que todo ambulante/vendedor que passava eu levantava a mão e pedia alguma coisa. Naquele dia comi muita pipoca, picolé e refri e no final do jogo eu tinha mais dinheiro no bolso do que quando fui para o estádio. A cada compra eu ficava com o troco e não devolvia ao Leandro, até hoje escuto esta corneta.

No ano seguinte, conquistamos o TRI Campeonato Brasileiro INVICTO. Fato que nenhum outro clube brasileiro conseguiu repetir até os tempos atuais.

Na década de 80 o Leandro entrou para o Seminário e foi realizar o seu sonho de ser Padre. O Leandro sempre teve vocação para o Sacerdote.

Os anos 80 e 90 foram difíceis na questão futebol. Somente nós COLORADOS sabemos o quanto duro foi encarar estas duas décadas. Claro que tivemos alegrias nestes anos e para cada conquista nossa torcida pelo COLORADO se tornava mais intensa.

Após muita pressão e da marcação acirrada, não resisti e marquei a data do meu casamento (04/03/1994). A Valesca resolveu que tínhamos que fazer nossa cerimônia de casamento na Igreja São Manuel, a minha única exigência independente de qual igreja fosse é que o Padre da Cerimônia seria meu amigo de infância e grande COLORADO o Pe. Leandro Chiarello.

A Valesca foi acertar os detalhes do casamento na igreja, dia, horário, decoração e minha única exigência era o Padre. A secretária da igreja demonstrava o seu desconforto com minha exigência. Infelizmente sem alternativas a Igreja aceitou minha exigência.

Acertados os detalhes fui ao encontro do Pe. Leandro que na época estava em uma paróquia na cidade de Caxias do Sul, fiz o convite e ele não pensou duas vezes. Aceitou na HORA.

Até hoje, mantenho contato com o Pe. Leandro, trocamos emails com certa regularidade, falamos sobre futebol, por vezes nos encontramos no GIGANTE, em meu último aniversário ele estava presente, na festa de aniversário do INTERNACIONAL deste ano dividimos a mesma mesa.

Ontem a noite recebi uma mensagem do Pe. Leandro e que me motivou escrever este texto. Abaixo a mensagem do Padre na íntegra:

"Marcelo!!!
Estou emocionado e me alegro muito quando leio os textos no blog. Que felicidade ser colorado. Que sorte de brotares vermelho em meio aos azuis. Isso é dom de Deus e tens que agradecer.
Passados anos de sofrimento, humiliação, agora estamos exultantes de felicidade.
16 de agosto de 2006, Um dia sem fim; 17 de dezembro de 2006, Gigante para sempre; 18 de agosto de 2010, Felicidade sem limite; e 18 de dezembro de 2010, ......
Não esqueça de sempre cumprimentar o Antônio em meu nome.
Um abraço, tb na Valesca, continue assim.
Pe. Leandro"

Ao meu mano TONHO as devidas lembranças do Padre.

Abraços aos leitores.
Eu Quero o BI do Mundial FIFA !!!

1 comentários:

Leo disse...

Amém, Padre!

Postar um comentário