9 de ago de 2011

É possível acreditar?

Na quarta, dia 10/8, haverá na Argentina o primeiro confronto da final da Recopa de 2011. Será que o povo COLORADO está enstusiasmado com a final? Eu estava convencido que não. Só que a RBS informa que a expectativa é de que 3.000 torcedores do INTERNACIONAL estarão no estádio de Avellaneda.

Não posso acreditar que este número expressivo de COLORADOS esteja na Argentiva pela convicção da vitória do INTERNACIONAL e sim pelo fato de unir o útil e agradevél e fazer uma viagem de turismo ao país hermano com a vantagem economica aos brasileiros pela desvalorização do Peso frente ao Real.

Acreditar no INTERNACIONAL de 2011, é uma missão quase impossível. A seqüência de erros é impressionante, vejamos apenas alguns: a) manter Celso Juarez Roth como técnico após a derrota para o Mazembe; b) destruir as arquibancadas do GIGANTE sem recursos financeiros alocados e suficientes para obras; c) reajustar o salário do Roth em 40%; d) manutenção de um grupo de atletas com idade acima média; e) brigas políticas, divergências internas e vaidades pessoais possuem prioridade sobre a gestão do clube; f) demora na demissão do Roth; g) demissão de Paulo Roberto Falcão e com lavagem de roupa suja em público; h) quase 30 dias após demissão do PRF e ainda não temos treinador efetivo; i) somos apenas coadjuvantes no campeonato brasileiro.


Eu tenho pouca esperança, mesmo que minha torcida seja sempre pela vitória, sobre a possibilidade do time do INTERNACIONAL conseguir trazer da Argentina um resultado positivo. E para piorar este sentimento ainda há possibilidade de jogarmos no esquema "chama derrota", aquela mesmo com apenas 1 atacante isolado, com Wilson Matias e Tinga no meio campo e com a dupla de zagueiros veteranos Bolivar e Indio.

Após todos os erros já comentidos pela Direção em 2011, que os torcedores sejam recompensados com a vitória e que os interesses ocultos não interfirem na escalação. Que a sorte esteja ao nosso lado.
Um grande e forte abraço.

0 comentários:

Postar um comentário