30 de abr de 2012

Um jogo que sozinho vale por um título

Mais uma vitória para somar na estatística da Supremacia COLORADA sobre o rival Porto Alegrense. E ganhar Gre-Nal é sempre especial. É um jogo que sozinho vale por um título.

E junto com a vitória no clássico, o direito a fluta, o choro do perdedor, o papelão do treinador azul, o papel ridículo de entrar no gramado com atraso e ainda com os suplentes fardados como se o time fosse jogar com 18 jogadores, de assinar a sumula segundos antes do início da partida.

E o que dizer do choro dos gandulas?

A vitória COLORADA tem todos os méritos para Dorival Júnior. O esquema encaixou perfeitamente. Tinga muitas vezes criticado foi o jogador mais importante na vitória. Nunca havia visto o Tinga fazer um grande Gre-Nal com a camisa vermelha (com a azul já havia visto).

Sem esquecer que o gol vencedor foi originado de um escanteio cobrado perfeitamente pelo Jajá. Por isso defendo que escanteio cobrado de forma "curto - aquele passe improdutivo" tem que ser proibido pelo estatuto do clube.


Outra vez o público vermelho decepcionou, apenas 20 mil torcedores vermelhos no GIGANTE.

Independente da final do Gauchão o pensamento do time tá na Libertadores e no confronto contra o Fluminense. A missão de fazer o time conseguir foco e vontade na final contra o Caxias não será tarefa simples para Dorival Júnior. O próprio torcedor se manifesta focado na Libertadores.

O atual sonho dos Vermelhos para 2012 no momento é que a final do Mundial Fifa seja INTER x Bayer e que  na Copa Brasil o Bahia de F5 avance de fase no confronto contra o time da Azenha (ambos antes precisam passar por Portuguesa e Fortaleza, respectivamente).

Obrigado aos azuis por existirem.

Um grande e forte abraço.

0 comentários:

Postar um comentário